Você é nosso visitante de número

sexta-feira, 18 de setembro de 2009


Quanto tens de Unção?


"E Geazi passou adiante deles e pôs o bordão sobre o rosto do menino, porém não havia nele voz nem sentido, e voltou a encontrar-se com ele dizendo: Não despertou o menino" .(II Reis 4:31).

"As loucas tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo. Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com suas lâmpadas". (Mat.25:3e4).

Nesses dois textos que lemos, existem pelo menos três níveis de unção que um crente pode alcançar no serviço a Deus. Três níveis e suas conseqüências, pois é impossível para qualquer pessoa ser ungida e não mostrar isso em sua vida e vivência espiritual. A unção é interior, mas seus resultados são visíveis e externos. Todos podem perceber quem tem e quem não tem. É algo impossível de se esconder. Três níveis de unção, é o que queremos considerar nessa mensagem que Deus nos deu.

1) Nenhuma Unção

Creio ser Geazi o servo de Eliseu, o maior símbolo do crente que não tem unção. Viveu sem ela durante toda sua vida espiritual. Não obstante ser auxiliar de um profeta poderoso como Eliseu, vivia a margem do ministério do mesmo. Talvez, vivesse para usufruir das "vantagens" que uma vida de profeta leva. Tinha pouso e comida garantida, mas não tinha espiritualidade nenhuma. Vivia apenas à sombra de Eliseu.

Seu nome significa "Vale da Visão", dando-nos a idéia de alguém que possuía uma ampla e vasta visão dos conceitos espirituais. Na verdade ele tinha mesmo visão, mas não visão espiritual, antes porém uma visão carnal e deturpada dos valores espirituais.

Não tinha visão espiritual pois ao se ver cercado por um grande exército na cidade de Dotã, não conseguiu ver o exército celestial que o protegia, precisando da intervenção de Eliseu, que intercedeu para Deus o curar de sua cegueira espiritual (II Reis 6:8a17).

Tinha visão carnal pois após a cura de Naamã, o general Sírio, mesmo vendo Eliseu rejeitar os presentes do curado, foi atrás dele, mentindo para receber as posses no lugar do profeta. Demonstrou ele ali toda sua ganância carnal e um olhar cobiçoso que não condizia com um auxiliar de profeta. O resultado foi que Geazi terminou sua carreira leproso. Triste situação de alguém que nunca demonstrou espiritualidade (II Reis 5: 20a27).

Mas por que o vejo como um crente sem nenhuma unção? Vamos lá. Se você ler o episódio de II Reis 4, versículo 8 a seguir, verá ali uma emocionante e tocante história. Primeiro vemos uma mulher que percebendo o caráter santo de Eliseu o profeta, resolveu abriga-lo em sua própria casa, construindo para ele um cômodo, e cuidar de sua vida material. Junto com Eliseu estaria seu ajudante-de-ordens, Geazi, que vivia à sombra do homem de Deus.

Eliseu então, como forma de gratidão àquela benfeitora, profetiza que ela teria um filho. O filho nasce, como o profeta dissera, cresce e vai ao campo ajudar o pai a cuidar da lavoura. Lá, se sente mal, volta para casa e é socorrido pela mãe, que ao meio-dia o vê morrer em seus braços.

Desesperada, a mãe sai a procura do profeta para inquirir dele acerca da morte do garoto. Com o coração amargurado, se joga aos pés de Eliseu, e o questiona. O profeta então pega o seu cajado (símbolo de autoridade profética) e o ordena que coloque sobre o garoto. Geazi obedece, mas nada acontece com o garoto. Ele continua morto.

Porque não funcionou?

Se analisarmos friamente a questão, parece que houve um erro ali. Por que o bordão de Eliseu não funcionou ao ser colocado sobre o menino? Tinha tudo para funcionar, pois o profeta delegou a Geazi autoridade profética para equacionar a situação, mas não funcionou, não deu certo, o moço fracassou em sua missão.

Eu recebi de Deus uma palavra revelada aqui, que gostaria de compartilhar com você meu amado leitor: Por que não funcionou o cajado de Eliseu nas mãos de Geazi? Afinal o cajado era de Eliseu, um dos maiores profetas do Velho Testamento. Não funcionou por que o cajado era de Eliseu, mas a unção tinha que ser de Geazi!!! De nada adiantava a afiada ferramenta nas mãos de alguém sem nenhuma habilidade para usa-la.

Isso é muito sério e delicado. Um homem que vivia a religião superficialmente, tinha intimidade com o profeta, mas não tinha nenhuma intimidade com Deus. Pensou que podia viver à sombra do profeta que seria atendido por Deus a hora que bem precisasse. Falhou profundamente. Quanto mais intimidade com Deus tivermos, maior será o nível de unção outorgada por Deus.

Vejo em Geazi, um fiel retrato de muitos crentes hoje dentro das igrejas. Vivem aquém daquilo que Deus quer deles. Levam uma vida aparentemente bonita, mas sem nenhuma unção. Na primeira oportunidade para fazerem algo, fracassam, pois as experiências que vivem, são de outras pessoas. De nada adianta experiências alheias. Elas não nos trazem unção. A unção só vem com intimidade com Deus.

2) Pouca Unção

Passaremos agora a outro nível de unção. Pouca Unção. Quem tem pouco unção vive como se não tivesse nenhuma. Leva uma vida espiritual superficial, sem profundidade cristã. Não conseguem ter uma intimidade maior com Deus, e levam uma vida beirando o fracasso.

Vejo isso na vida das virgens loucas. Viviam juntas com as prudentes, portavam-se como elas, vestiam-se como elas, esperavam o mesmo esposo como elas, mas tinham uma gritante diferença delas, que no final, as levou ao fracasso. Infelizmente tinham azeite limitado. Enquanto as prudentes tinham azeite em suas lâmpadas e em vasilhas à parte tinham sobras, as loucas levaram azeite apenas em suas lâmpadas, esquecendo de levar reservas, e isso fez a diferença final.

Note o leitor que não foi só as loucas que dormiram, as prudentes também dormiram juntas: "E, tardando o esposo, tosquenejaram todas e adormeceram" (Mat.25:5). Isso nos dá a idéia do quadro que estará norteando a igreja na volta do Senhor Jesus. Muita gente dormindo. Note o que Jesus falou na palavra profética, de como acharia o mundo na sua volta:

"...Quando vier o Filho do homem porventura achará fé na terra?" (Luc.18:8)
"Bem-aventurado aquele servo que o Senhor quando vier, achar servindo assim"(Mat.24:46)
"E tardando o esposo, tosquenejaram todas e adormeceram" (Mat.25:5)
Realmente, serão dias tenebrosos e frios, em que toda sensibilidade espiritual, será perdida, e muitos vão dormir profundamente o sono da negligência, do pecado e da frieza espiritual.
As virgens foram despertadas a meia-noite, com um clamor (um brado em alta voz) forte e angustiante: "...Aí vem o esposo, sai-lhe ao encontro" (Mat.25:6). Foi um clamor muito forte, que a todas elas despertou do sono em que estavam. Enquanto as prudentes tiveram que apenas transferir o azeite das vasilhas reservas para as lâmpadas já no limiar de se apagarem, as loucas se depararam com o sombrio quadro de ver as lâmpadas apagando sem ter reservas para adicionarem às suas lâmpadas.
3) Unção ilimitada

As loucas, no auge da aflição, pedem ajuda as prudentes: "...Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam" (Mat.25:8). As loucas se esqueceram de um princípio divino. A unção é algo pessoal e intransferível. A fonte é o Espírito Santo. Homem algum pode transferir unção a ninguém.

As prudentes ensinaram àquelas loucas algo muito importante também, que nos serve de lição: Unção tem preço. Enquanto elas queriam algo gratuito: "...dai-nos do vosso azeite", as prudentes respondiam: "...ide antes aos que vendem, e comprai-o para vós" (Mat.25:9). Existe um preço a ser pago para adquirirmos a unção do Espírito.

Tarde Demais

A uma altura daquela da noite era tarde demais para se comprar azeite. A Bíblia nada diz se elas conseguiram o azeite, diz apenas que chegaram tarde demais. O noivo já tinha vindo e levado a noiva

Isso ensina-nos algumas verdades:

1) Haverá um clamor a meia-noite. Será o final de um dia e início de outro. Zero-Hora. Momento em que o relógio zera tudo. É o marco zero. Penso que esse clamor será o momento final do Espírito Santo despertando a todos.

2) Esse clamor será o avivamento final que o Espírito Santo vai mandar sobre a igreja. Todos vão sentir, mas nem todos vão participar. Será tarde demais para alguns que dormiram sem ter reservas de unção na sua vida.

3) Muitos não terão forças para pagar o preço por esse avivamento final. Acordarão sim, mas extenuados pela vida de frieza e mornidão que levaram, não conseguirão se preparar a tempo de ser arrebatados.

4) Esse avivamento irá durar do clamor do Espírito Santo a volta do noivo. Será repentino e muito rápido. Eis a razão de muitos não conseguirem o azeite a essa altura da noite, em que a porta da graça se fecha, não dando tempo de uma busca mais profunda da unção.

Amado leitor. Ouça o conselho desse seu amigo pregador, que nasceu num berço cristão, que viveu praticamente toda sua vida na casa de Deus, e sente a igreja atravessando uma crise espiritual sem precedentes. Deus quer encher sua vida do Espírito Santo. Faça um propósito agora: Jejuar pelo menos duas vezes por semana, um por ti mesmo e outro pelas almas perdidas, e orar pelas madrugadas, derramando-se diante do altar de Deus. Ele ouvirá seu clamor, e fará algo especial em ti.

Ou você se enche do Espírito Santo para combater os demônios, ou se enche dos demônios para combater a Deus!!!"

Um comentário:

Simplesmente Serva disse...

Pastor Josias, como gostei do seu blog. Esta mensagem "quanto tem de unção?" falou-me profundamente.
Estou seguindo-o.
Que Deus continue a derramar unção sobre sua vida.

Tenho um blog também. Ficarei contente se me visitar.

http://mulhersantificada,blogspot.com