Você é nosso visitante de número

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Passando Por Altos e Baixos


Texto Básico: I Reis 17,18 e 19

 Introdução: A bela história de Elias é um claro sinal de que uma pessoa, independente de sua fé, espiritualidade, e firmeza de propósitos, é passível de passar por altos e baixos na sua caminhada com Deus. Vejamos a vida de Elias:

 Quando Passamos por “Altos”?
 1)      Quando Deus nos tira do anonimato e nos coloca no meio de grandes e poderosos para confrontá-los em atos proféticos. Elias aparece do nada (Tisbe, uma pequena aldeia) para revolucionar a agenda do rei Acabe e da profana Jezabel (I Rs.17:1)
2)      Quando Deus providencia meios para nosso sustento, usando formas inimagináveis e milagrosas: Corvos, viúvas, pequeno ribeiro, etc. (I Rs.17:6ª9)
3)      Quando presenciamos milagres feitos por nosso intermédio: Ressurreição de mortos (17:21e22), fogo do céu (18:38), chuva depois de mais de 3 anos de seca e corrida milagrosa de 25 km à frente do carro do rei (18:46).
4)      Quando podemos desafiar quem quer que seja e mostrar que Deus está do nosso lado e pode fazer qualquer coisa por nós (18:39).
5)      Quando temos fé suficiente para crermos que uma pequena nuvem, do tamanho da mão de um homem, pode trazer uma violenta tempestade (18:44).

 Quando Passamos por “Baixos”?

  1)      Quando esperamos que as coisas aconteçam de um jeito e acontece de outro: Depois da vitória, Elias esperava a aprovação de Jezabel, mas foi surpreendido pela perseguição (I Rs.19:1e2).
2)      Quando ignoramos um claro sinal de Deus: Um anjo lhe acorda com pão e água, ele come e volta a seu estado mórbido anterior: Dormir. Se antes uma pequena nuvem era sinal de milagre, agora nem um anjo é capaz de lhe mostrar a vitória (19:15e16).
3)      Quando nos isolamos de todos, pensando que somos exclusivos, que tudo gira em torno de nós, e sem nós, a coisa não funciona (19:10)
4)      Quando temos a oportunidade de ficar frente a frente com o Altíssimo e ficamos querendo nos justificar, com autocomiseração, se fazendo de vítima, tentando convencer a Deus de nosso extremo zelo (19:14). – Ps: Deus não nos mandou ser extremamente zeloso, mas sim zeloso apenas. Todo extremo é perigoso.

 O que Deus Faz?

 1)      Mostra-nos nosso equívoco: Tem mais gente passando pelo que estamos passando: Sete mil joelhos que não se dobraram a Baal (19:18).
2)      Manda-nos fazer o mesmo caminho de volta (sem atalhos), pelo deserto de Damasco: Mais deserto? Deus não alimenta nossa alto-estima (19:15).
3)      Dá-nos trabalho para fazer, nos ocupa com uma terapia funcional: Ungir reis e profetas, era o que ele sabia (19:15e16). Já que pediu a morte, Deus prepara seu sucessor na sua “barba” (19:16).


Deus Espera Uma Resposta Sua

DEVES UMA RESPOSTA A DEUS

Jonas 1.3; 4.2

O profeta Jonas recebe uma ordem de Deus (uma palavra pessoal revelada), para ir a Nínive e pregar contra ela, dizer que sua maldade havia chegado ao Céu, e se não houvesse um profundo arrependimento, a destruição seria inevitável.
Jonas porém, faz um caminho oposto a ordem divina, e toma um navio para Társis na Espanha, fugindo assim da determinação de Deus. É interessante que o Espirito Santo fez questão de usar a palavra “fugir”, várias vezes no livro ( Jon.1:3,4:2).
Se o Senhor fez questão de registrar a fuga de Jonas, alguma coisa Ele nos queria revelar, pois Deus não faz nada sem propósito. Na verdade, o profeta tornou-se um fugitivo em relação à Deus. Vamos ver então, que exemplo ele nos legou, observando as características de uma pessoa que está fugindo de Deus.

ELE SE OMITEÉ interessante notar que Jonas, ao receber a ordem divina, não disse nem sim nem não. Ele simplesmente fugiu para outro lugar. Deus esperava uma resposta dele, e ele fica em silêncio, e ao fugir, ele se omite.
As ações divinas em relação ao homem, exige uma resposta imediata à Deus. O Senhor entenderia perfeitamente se Jonas dissesse não. Ele imediatamente levantaria outro profeta. O que Deus reprovou, foi a atitude do profeta de simplesmente fugir, sem lhe dar nenhuma resposta.
NA OBRA DE DEUS, É MELHOR ERRAR POR AÇÃO DO QUE POR OMISSÃO, QUANTO À VONTADE DIVINA!!!
Tem muito gente sofrendo hoje por que carregam consigo o estigma de fugitivo. Deus espera deles uma resposta (nem que seja negativa, pois Ele respeita o livre arbítrio do homem), e vivem fugindo, protelando a decisão, pois tem medo de dizer um “não” à Deus. 

Deus entenderá o seu “não”, o que Deus não aceita mais é essa sua omissão em relação a resposta, essa sua vida de fuga em relação ao querer divino.
Na parábola dos talentos, Jesus deixou isso bem claro. O maior erro do que recebeu apenas um talento, foi não Ter usado aquele que recebeu. Ele subestimou aquela oportunidade e pagou caro por isso.
Seria bem mais simples ele dizer ao dono dos talentos que não queria, que desse a outra pessoa o talento, do que te-lo escondido na terra, deixando-o sem uso durante muito tempo (Mat.25:19). Seu maior erro foi a omissão.
Querido irmão, a omissão é um pecado que custa caro ao ser humano. Isso para Deus é uma fuga. Quer você queria ou não. Deus exige desprendimento.
Deus espera um sim ou não. O que não dá mais é ficar postergando e protelando a Decisão. Saiba que você pode estar atrasando o plano e o trabalhar de Deus em sua vida.

ELE PERDE TODA DEVOÇÃOO que se espera de um profeta de Deus? No mínimo, uma profunda e intensa comunhão com Ele...
Parece porém que esse não era o caso do profeta Jonas. Em seu curto livro, ele ora apenas duas vezes. Uma no ventre do peixe, numa atitude de desespero, e outra uma de ressentimento, revoltado por Deus Ter poupado Nínive.
Tomo emprestada uma frase que li a algum tempo atrás, que não lembro a fonte, por isto, vou omitir os créditos, mas expressa todo meu pensamento: “O coração de qualquer pessoa, investida de representação celestial, tem que pulsar nas batidas do coração de Deus”. 
Jonas tinha perdido a sintonia com o propósito divino. Não sentia nem mesmo remorsos quanto mais arrependimento. Quando todos os marinheiros apelavam para suas malfadadas crenças, ele dormia profundamente o sono da indiferença no fundo da embarcação (Jon.1:5).
É difícil para uma pessoa, saber que seu relacionamento com Deus não está nada bem, conseguir orar tranqüilamente. Um drama de consciência o atinge. Sofrer, sabendo que deve o que está sofrendo, não nos deixa aproximar-mos de Deus pedindo auxílio. Pelo contrário, nos faz deixar a vida ir a toa, pensando que o próprio tempo arruma a situação. Ledo engano. Deus exige um concerto para reativar suas promessas e bênçãos...
Pensamos que é preferível dormir (como Jonas) e acordar, fingindo estar tudo bem. Cuidado! É no meio do sono que chega o temporal e, como clamarás se perdestes a comunhão com o altíssimo? 

Um coração ressentido, amargurado e sem expressões de júbilos e adoração, é a marca maior de alguém que está em rota de fuga de Deus...
Numa atitude de extremo desespero, no ventre do peixe, Jonas clama aflito e desesperado, e ali, em meio as trevas ele faz a Deus um voto, prometendo renovar seus sentimentos de devoção à Deus (Jon.2:9). Não espere chegar no fundo do mar meu caro leitor renove hoje sua comunhão com Deus, e deixe de fugir da sua presença...

SINAS DE QUE DEVEMOS A DEUS UMA RESPOSTA
1-) PERDEMOS A DEVOÇÃO PESSOAL (Jon.2:1e9) 
– Jonas perdeu todo sentimento espiritual. Orou apenas duas vezes em todo seu livro: Uma no ventre do peixe, numa atitude de extremo desespero, e outra quando estava ressentido e magoado por Deus ter poupado Nínive. O que se espera de um profeta de Deus? No mínimo, que viva em profunda comunhão com Ele. Mas fazer o que, se Jonas estava em falha com esse Deus... A verdade é que quando deixamos de buscar ao Senhor, e deixamos nossa vida de devoção à Ele, é um péssimo sinal. Precisas dar uma resposta à Deus...

2-) FICAMOS INDIFERENTES (Jon1:5) – Enquanto lá em cima, no navio, todos apelavam a seus deuses e suas malfadadas crenças, o profeta do Deus vivo, dormia, indiferente e alheio a tudo o que ocorria à sua volta. Jonas tentava “empurrar com a barriga”, uma situação que infelizmente fora ele que criara. 

É sempre assim, quem deve uma resposta à Deus, sempre finge que não é com ele que Deus está falando ou agindo. Procura na indiferença, levar a vida, achando que Deus nunca vai encontra-lo. Ledo engano...

3-) COLOCAMOS NOSSOS INTERESSES ACIMA DOS DE DEUS (Jon.4:2,10e11) 
Enquanto Deus demonstrava seu intenso e profundo amor por um povo pervertido, sanguinário e pecaminoso, Jonas queria colocar seus interesses bairristas e pessoais acima dos de Deus. Queria que o coração divino pulsasse no ritmo do seu. Seu exagerado nacionalismo hebraico era maior do que a misericórdia divina. Qualquer pessoa que egoisticamente defenda seus interesses e tenta justificar suas razões acima de qualquer coisa, é gente que está em fuga contra Deus...

4-) ENFRENTAMOS CRISES EXISTENCIAIS (Jon.4:3) – O profeta prefere a morte quando seus interesses não são consumados. Desiste da vida em um momento em que os céus estavam em profundo júbilo com a conversão da grande cidade. Se entristece quando a glória de Deus se manifesta, mas não é de acordo com seus ideais e projetos pessoais. Qualquer pessoa que está fugindo da missão de Deus, enfrenta essa situação. Elias também é um belo exemplo disso.

5-) INVERTEMOS VALORES – Para Jonas, uma simples aboboreira que nasceu milagrosamente de manhã e a tarde milagrosamente também secou-se, tinha mais valor do que cento e vinte mil almas, que milagrosamente se converteram ao Deus vivo. Quando estamos em rota de fuga, começamos a inverter valores espirituais. O que vale passa a não valer e o que não vale passa a valer (Jon.4:11).

6-) TORNAMO-NOS INSENSÍVEL AO AGIR DE DEUS - Deus realiza um grandioso milagre à sua volta, com pessoas e até mesmo animais se humilhando diante de Deus, por sua mensagem simples e objetiva, mas ele prefere ignorar o milagre, ou o agir de Deus, por causa de sua insensibilidade espiritual. 

Nunca se ouviu falar de um pregador assim, com esse nível de unção, conquistar uma cidade com uma mensagem pequena mas poderosa, e que mesmo assim, não se alegra com os frutos de sua mensagem. Insensibilidade é terrível!!!

7-) PERDEMOS OS REFERENCIAIS E IDEAIS ( Jon.4:1a5) – Mesmo após Deus alterar os planos de destruir Nínive, e poupa-la por sua misericórdia, Jonas sai para fora da cidade e fica esperando o que vai acontecer com ela, extremamente ressentido. Um profeta ressentido perde os ideais e referenciais de vida. Para ele, pouco importa como Deus está fazendo, ele se sente o centro das atenções. Julga mais interessante que Deus atenda seus desejos e vaidade pessoal.

DEUS NÃO DESISTE FACILMENTEQuando Deus tem um propósito na vida do homem, e ele tenta desviar-se desse propósito, o Senhor insiste com ele. Deus não desiste facilmente.

MOISÉS
Tentou fugir, apresentando pelo menos cinco desculpas para não assumir a responsabilidade de tirar o povo do Egito (Ex.3e4). Note que em nenhum momento Moisés diz claramente a Deus que não iria. Aqui nos parece mais um caso de humildade do que omissão. Ele sentia-se realmente incapacitado para a missão.
Deus então lhe apresenta as armas e lhe dota de todas as condições necessárias para a vitória. Diferente de Jonas que simplesmente fugiu da responsabilidade.

GIDEÃO
Tentou argumentar com Deus dizendo-se o mais inferior e incapacitado para livrar Israel das mãos dos midianitas, e mesmo depois de conhecer os planos do Senhor, solicitou-lhe fazer provas para Ter certeza do propósito divino (Jz.6:11a23).

JEREMIAS
Sentia-se como criança, isso é, insuficientemente preparado para profetizar os “pesos” de Deus diante do povo. Somente depois que Deus lhe tocou e colocou em sua boca suas próprias palavras, é que ele sentiu-se capacitado para exercer o ministério (Jer.1:6a9). É maravilhoso, ver a insistência divina diante da obstinência do homem... Não, Deus não desiste facilmente, e não tem argumentos que o convença a desistir...

PODEMOS DIZER NÃO À DEUS???Sim. E ele aceita e entende isso. O problema e arcarmos com a conseqüência disso. Nem sempre dizemos não com palavras. As vezes, com nossos atos errados dizemos não à Ele:

ESAÚ
Quando trocou sua primogenitura por um prato de lentilhas, ele disse não à Deus. Mostrou ao Senhor que ele não queria o direito de ser o herdeiro-mor de Abraão. O que para ele foi uma simples brincadeira de adolescência, foi tratado pelos céus como profanação.

SANSÃO
Ao revelar o segredo de sua força a Dalila, Sansão estava indo muito mais longe do que demonstrar a moça que ele a amava. Ele estava simplesmente rejeitando a benção de julgar o povo de Deus e ser o guia e líder daquela gente. Quanto prejuízo...

OS DOIS MOÇOSJesus contou uma bela parábola de um homem que tinha dois filhos, e pediu que o primeiro fosse trabalhar na sua vinha. Ele disse que não ia, mas depois foi. O outro disse que iria, e depois não foi. Fica claro que o primeiro foi o mais honrado, pois mesmo dizendo não, arrependeu-se a tempo e foi. Enquanto que o segundo nem se deu ao luxo de procurar o pai, para dizer que não poderia cumprir o compromisso. A todo momento é hora de dizer sim ao Senhor...

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

"Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo". (Fil.1:6). Deus é tão fiel que tudo aquilo que Ele iniciou em você, Ele terminará com toda a certeza. No relato da criação, o Senhor só descansou ao terminar toda a Sua obra. Assim será contigo, tudo que foi iniciado, ou está em andamento, não foge do controle de Suas santas mãos. Levante sua cabeça. Pode estar difícil agora. Mas é temporário.

Dias desses, passei por uma rodovia em reforma, e tinha uma placa: DESCULPE OS TRANSTORNOS, ESTAMOS EM OBRAS PARA MELHOR ATENDE-LO.

Então, descanse seu coração. Os transtornos e dificuldades são passageiros. Deus vai terminar a obra iniciada e você vai se alegrar muito ainda Nele. 
Tenha uma linda semana em Cristo!!

segunda-feira, 1 de junho de 2015


Quero que todos gostem de mim, mas descobri, muito tempo atrás, que tentar fazer as pessoas gostarem de mim é uma tarefa árdua! E sabe o que é mais interessante? 

Quando parei de me importar com o que os outros pensavam a meu respeito, pude ver que não havia tantas pessoas que realmente pensavam mal de mim. 

Percebi que o diabo colocava pessoas que não gostavam de mim por perto na mesma proporção em que eu me importava com isso! 
Quando desisti de me preocupar, tais pessoas simplesmente desapareceram...

quinta-feira, 29 de maio de 2014



Um Culto Muito Especial

Estava pregando em uma igreja no Centro-Oeste brasileiro, quando, no púlpito, antes de ministrar, percorri os olhos na nave da igreja e, de repente, em pensamentos, sai daquele lugar e viajei em um longínquo dia de 1911/1930, e me peguei em um culto muito especial.

Este culto estava sendo dirigido pelo irmão Gunnar Vingren, e foi aberto com uma fervorosa oração. Mesmo diante da pálida luz do lampião a fumaça escura do querosene, e a debilidade física do dirigente, alvejado pela malária.

Após a oração, foi convidada a irmã Frida Vingren para adorar a Deus no momento devocional, e ela começou cantando efusivamente o hino 196 da H.C., e com lágrimas declarava: PRECIOSO PRÁ MIM É JESUS, seguido pelos crentes que lotavam o salão e fervorosamente cantavam. Ah!!! era acompanhada por uma linda "orquestra" composta por ela mesmo no acordeon e o irmão Daniel Berg no bandolim...


Após isto, foi convidado para ler a Palavra de Deus, o irmão Samuel Nystron, que leu com lágrimas o Salmo 103, levando os presentes a conclamarem em uma só voz: E TUDO O QUE HÁ EM MIM BENDIGA SEU SANTO NOME.

O irmão Daniel Berg, tão logo terminou a leitura, saiu do pequeno salão e foi para a calçada e alí, entregava folhetos para os transeuntes convidando-os para participar do culto.

De repente, Deus toma a irmã Celina de Alburquerque em profecia e ela fala em alta voz a congregação, que o Espirito Santo ministrava que aquele fogo aceso ali, se alastraria para o Brasil e o mundo. Os presentes são tomados em uma explosão de glória e fogo pentecostal.

Enquanto isso, pedras choviam na janela e no telhado da igreja...

Voltei para o culto onde eu estava...Olhei a minha direita vi duas moças conversando e rindo deslavadamente. No púlpito, dois pastores conversavam e com seus celulares acessavam as redes sociais. Olhei na galeria, jovens se abraçavam e trocavam carícias...Olhei para a esposa do pastor, ela mascava chicletes sem nenhum pudor dentro do culto...

De cabeça baixa orei: AVIVA OH! SENHOR A TUA OBRA...


Pr. Josias Almeida
29/05/2014

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Onde o Jumento vai me Levar (Gen.36:24)


Introdução: Ninguém tem paciência para ler genealogia. Uma lista interminável de nomes aparentemente sem nenhum nexo. Mas o amante da Bíblia tem que entender que sempre existem propósitos em tudo o que Deus faz.

Veja em Gen.36, o relato da descendência de Esaú. Tudo aparentemente vai sem sentido, até aparecer os filhos de Zibeão na parada: Aiá e Aná. O mais novo se destaca entre todos, pois é apresentando como o homem que encontrou fontes termais no deserto (24).

Na cultura antiga apenas os primogênitos se destacavam. Para Aná sobrou apascentar jumentos de seu pai. Jumentos que não eram seus, e um bicho de difícil temperamento. Eis algumas lições:

1)   Jumento é coisa de Deus na sua vida! As fontes termais que ele encontrou, são as melhores águas do deserto. E o problema de Aná, que era o jumento, foi a “ponte” para fazê-lo chegar a elas. Na minha formatura, fui o orador. Todos agradeceram os amigos, familiares e a turma toda. Eu agradeci o professor mais chato que tinha. Ele foi a ponte. Há coices que vem para o bem.
  
2)      Faça logo o estágio no deserto. Quem ainda não fez, mais cedo ou mais tarde terá que fazer. Ló teve a chance, quando Abraão lhe propôs a escolha. Ele fugiu. Foi para Sodoma, mas terminou seus dias no deserto. É melhor fazer agora em plena forma que mais tarde quando não dá mais.

  
3)   Um dia as águas termais chegarão na sua vida. Estavam escondidas em pleno deserto, esperando alguém que se dispusesse em encontra-las, O que você precisa você já tem. Só basta um coice para descobrir...

4)      Somos como a água que está submersa e ninguém vê. Mas estamos sendo enriquecidos com os ensinamentos de Deus e adquirindo propriedades terapêuticas, que curam que fazem bem, para quando aflorarmos, possamos fazer o melhor de Deus.

Qualquer pessoa poderia ter descoberto as águas, pois não foi uma invenção de Aná. Mas Deus ocultou aos outros homens para que só Aná encontrasse essas águas. Deus também pode nos dar algo que não dá aos outros se nossos corações agradar a Deus. Podemos estar no deserto apascentando jumento, mas Deus está nos vendo e irá nos honrar. Apascentando jumento no trabalho, na igreja, em casa, na vizinhança, na escola. Mas Deus está nos dando graça pra suportar e esperar o tempo dele.

Pr. Josias Almeida

28/04/2014 – E.I.O 

quarta-feira, 9 de abril de 2014


Pavimentadores Espirituais


Texto (Mat.3:1ª5)

Em toda a Bíblia está enfatizada que a principal missão de João Batista, seria preparar o caminho do Senhor. O texto dá a ideia de um construtor e pavimentador de estradas.

O povo estava sem voz profética a 400 anos, e a corrupção espiritual havia grassado (Prov.29:18). A terra e os povos mergulharão numa escuridão tenebrosa (Mat.4:16).

A função principal de João era preparar o caminho de passagem do Mestre. Definamos o perfil desse homem que foi o maior de todos (Mat.11:11).


Um homem do deserto

1)      Ele nasceu para ser uma voz que clamava no deserto. Deus o preparou para viver no deserto. Sua criação foi no deserto (Luc.1:80).

2)      Seu ministério iniciou-se no deserto, e Deus mandava as multidões irem ao deserto ouvirem sua mensagem (Mat.3:5).

3)      O dia que ele deixou o deserto e foi para a cidade, seu ministério acabou. Morreu degolado por ter confrontado o Rei Herodes e atraído o ódio de Herodias (Mac.6:14ss). Quem foi chamado para ter o ministério do deserto não pode ir para a cidade.
  
  
Preparando a próxima geração

1)      A função de quem pavimenta o caminho é preparar para que outro venha. É a continuidade que precisamos no evangelho. Deus é Deus de Abraão, Isaque e Jacó.

2)      João Batista trabalhou no reconhecimento diante do povo, mostrando a Cristo, e mesmo quando foi ovacionado, apontou que não seria ele, mas quem viria a seguir com muito mais dignidade (Luc.3:16).

3)      Quem prepara o caminho tem que aceitar quando outro melhor que ele aparece, e não ser acometido da síndrome de Saul (Jo.3:30).


Como Trabalhar a Dúvida

1)      A prisão chegou para João Batista. Alí, ele teve uma confusão de personalidade, e enviou dois discípulos a Jesus para saber se não tinha havido engano no seu chamado.

2)      Não se sinta culpado diante das dúvidas. Nem sempre dúvidas é sinal de fraqueza. As vezes é a oportunidade de Deus revelar que como ser humano você é o maior de todos (Luc.7:28). Nem sempre ser humano e ter dúvidas é ser fraco. As vezes isso nos engrandece diante de Deus. Mas o testemunho sempre será Dele (Prov.27:2).


Pr. Josias Almeida

07/04/2014   E.O.I

terça-feira, 6 de agosto de 2013


Agora pouco vi um pregador renomado reclamando que seu nome foi colocado em um cartaz e sua presença divulgada em um evento sem sua confirmação prévia. Queria fazer um comentário simples e objetivo.

1) Hoje, infelizes são as igrejas e pastores que precisam de "astros" gospels para abrilhantar eventos e reunir o povo. Suas igrejas infelizmente só são movidas a oba oba, e tristemente, o povo vai seformando sem bases solidas na fé, carecendo de embasamento bíblico.

2) A verdade é que muitas dessas estrelas reclamam que são colocadas em cartazes e eventos sem autorização, mas e quando marcam, recebem e nem vão ao local, deixando milhares de "fãs" (arghhh!!) esperando e frustrados, nunca ligam para justificar e muito menos devolvem o dinheiro rece
bido.

3) Queria sugerir aos pastores que antes de congressos, campanhas, confraternizações e outros, (que tem seu lado bom é claro, mas não é tudo), levem o povo a santidade e oração, investindo tempo nos cultos de ensinos e nas escolas dominicais, fortalecendo o povo no conhecimento de Deus.

Em Cristo,

Pr. Josias Almeida

quinta-feira, 27 de junho de 2013

"Se não tiver espaço pra mim eu racho a igreja no meio"


Vi nas redes sociais tal frase como sendo dita pelo Pr. José Wellington Bezerra da Costa, presidente da CGADB, e tentei ler as matérias, e descobri tendenciosidade absoluta em todas elas. Em todas as matérias escritas sobre isto pinçavam uma frase aleatoriamente solta: "...Pr. José Wellington abriu um precedente abominável e acabou executando o que ele já havia citado em algumas reuniões da mesa diretora, “Se não tiver espaço pra mim eu racho a igreja no meio. Frase esta que teria sido falado pelo próprio Pr. José Wellington segundo sites e blogs de pastores da Convenção".

Busquei vários blogs de pastores da convenção (inclusive os que se opõe ao presidente) e não vi tal frase. Entendi que é mais um factóide criado para colocar gasolina na fogueira. Nunca gostei de opinar sobre isto mas, vamos aos fatos:

1) Á partir das redes sociais, as pessoas se sentem um pouco mais livres para dar vereditos à partir do que lêem, sem fazer nenhum juízo ou tentar filtrar verdades ou mentiras. Simplesmente engolem e propagam, haja vista, ter visto inúmeras pessoas fazendo ácidos comentários à revelia, sem nem perceber que tal frase estava solta e sem nenhuma credibilidade, pois fontes assim não são confiáveis.

2) Conheço Pr. José Wellington, pois me criei na AD Belenzinho e sei que jamais ele diria uma palavra dessas. Em que pese as discordâncias de alguns aspectos e rumos tomados. Veja que quem escreveu tal matéria, nem mesmo o procurou para ouvir sua versão, como manda o bom jornalismo. Simplesmente publicou, pois a frase foi dita por "sites e blogs de pastores da Convenção".

3) Estamos entrando numa área perigosa, advertida pelo própria Senhor Jesus como pecaminosa, ou como escreveu o Pr. Ciro Sanches Zibordi: "Segue-se que julgar segundo a reta justiça é julgar qualquer fato com honestidade, retidão, justiça, etc. Em contraposição, o julgar constante da primeira citação bíblica equivale a caluniar, difamar, julgar de maneira apressada, sem fundamento, propagar suposições como se fossem notícias verdadeiras".

4) Está na hora de pararmos um pouco de engolir tudo o que dizem, a pretesto da onda de protesto que toma conta do Brasil, trazer para os meandros da igreja. A Igreja de Cristo não pode entrar nesta "onda", mas seguir em oração para que o Senhor intervenha.

5) Não quero polemizar ainda mais, mas será que os opositores da CGADB seguem uma linha de conduta tão ilibada assim? de que acusam o Pr. Wellington? De continuísmo? Será que eles querem alternar a presidência de suas igrejas também? De conservadorismo? Será que G12, unção de apóstolos, e outras cositas mais são aceitáveis? Vamos pensar direito.

Que o Senhor Deus nos dê discernimento, equilíbrio e sabedoria para enfrentarmos dias tão conturbados.

Em Cristo,

Pr. Josias Almeida

terça-feira, 25 de junho de 2013

Pr. Josias Almeida - Harpa Cristã 432



Cantando os hinos da Harpa Cristã juntamente com a igreja. Este hino 432 é simplesmente uma oração de consagração ao Eterno...cante agora...

segunda-feira, 25 de março de 2013

CUIDADO COM OS AMIGOS DE JÓ (OU AMIGOS DA ONÇA???)



Auto-intitulados esclarecidos são os que esmiúçam a vida alheia procurando causas para dores sem resposta. Buscam convencer que a miséria é justificada por nosso atos e, que nos ordenam a engolir a dor, as lágrimas, a tristeza. Não querem se incomodar com gemidos e choros. Brincam com chavões e versículos fora de contexto para nos acusar de injustiças cometidas.


Os amigo de Jó quando vêem um cego de nascença, buscam entender com Jesus onde está a causa, quando ela nem sempre existe nos pecados de um ou outro. Narcisistas e invejosos, aproveitam o momento do caído para acusá-lo, detratá-lo, esquecendo que aquele mesmo Jó foi, um dia, conselheiro deles.



Fazendo coro com a mulher de Jó, ficam na expectativa do fim do moribundo, para continuar suas vidas entre os eleitos que até o momento nada sofrem. Esquecem que a miséria pode estar a um segundo de distância. 



Não choram com os que choram: não querem ser associados com esse tipo de situação impopular e incômoda. Mas o que não sabem é que, por melhor que seja seu discurso e oratória, precisarão, diante do Deus que dizem defender, da intercessão do miserável que afligem, pois este sim é o que está agradando-O.



Os amigos de Jó somos nós, eu e você, cheios de escusas quanto a fazer isso ou aquilo pelo reino. Gente que Gandhi dizia ser o grande problema do cristianismo: “cristãos”. Gente que torna a dor de Jó muito maior, por não se importarem com ela, por mais piedosos que pareçam seus conselhos.



Na verdade não são amigos coisa nenhuma. Embora se auto-proclamem assim, são na verdade, AMIGOS DA ONÇA!!!

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Diferença Entre Pastores e Lobos




O texto é longo mas é belo. Resolvi postar e gostaria que refletíssemos sobre isso. Extrai da boa Revista Enfoque Gospel:

Pastores e lobos têm algo em comum: Ambos se interessam e gostam de ovelhas, e vivem perto delas. Assim, muitas vezes, pastores e lobos nos deixam confusos para saber quem é quem. Isso porque lobos desenvolveram uma astuta técnica de se disfarçar em ovelhas interessadas no cuidado de outras ovelhas. Parecem ovelhas, mas são lobos. No entanto, não é difícil distinguir entre pastores e lobos. Urge a cada um de nós exercitar o discernimento para descobrir quem é quem. Vamos a análise de quem é quem:

Pastores gostam de convívio, lobos gostam de reuniões. 
Pastores vivem à sombra da cruz, lobos vivem à sombra de holofotes. 
Pastores choram pelas suas ovelhas, lobos fazem suas ovelhas chorar.
Pastores têm autoridade espiritual, lobos são autoritários e dominadores.
Pastores têm esposas, lobos têm coadjuvantes.
Pastores têm fraquezas, lobos são poderosos.
Pastores olham nos olhos, lobos contam cabeças.
Pastores apaziguam as ovelhas, lobos intrigam as ovelhas.
Pastores têm senso de humor, lobos se levam a sério.
Pastores são ensináveis, lobos são donos da verdade.
Pastores têm amigos, lobos têm admiradores.
Pastores se extasiam com o mistério, lobos aplicam técnicas religiosas.
Pastores vivem o que pregam, lobos pregam o que não vivem.
Pastores vivem de salários, lobos enriquecem.
Pastores ensinam com a vida, lobos pretendem ensinar com discursos.
Pastores sabem orar no secreto, lobos só oram em público.
Pastores vivem para suas ovelhas, lobos se abastecem das ovelhas.
Pastores são pessoas humanas reais, lobos são personagens religiosos caricatos.
Pastores vão para o púlpito, lobos vão para o palco.
Pastores são apascentadores, lobos são marqueteiros.
Pastores são servos humildes, lobos são chefes orgulhosos.
Pastores se interessam pelo crescimento das ovelhas, lobos se interessam pelo crescimento das ofertas.
Pastores apontam para Cristo, lobos apontam para si mesmos e para a instituição.
Pastores são usados por Deus, lobos usam as ovelhas em nome de Deus.
Pastores falam da vida cotidiana, lobos discutem o sexo dos anjos.
Pastores se deixam conhecer, lobos se distanciam e ninguém chega perto.
Pastores sujam os pés nas estradas, lobos vivem em palácios e templos.
Pastores alimentam as ovelhas, lobos se alimentam das ovelhas.
Pastores buscam a discrição, lobos se autopromovem.
Pastores conhecem, vivem e pregam a graça, lobos vivem sem a lei e pregam a lei.
Pastores usam as Escrituras como texto, lobos usam as Escrituras como pretexto.
Pastores se comprometem com o projeto do Reino, lobos têm projetos pessoais.
Pastores vivem uma fé encarnada, lobos vivem uma fé espiritualizada.
Pastores ajudam as ovelhas a se tornarem adultas, lobos perpetuam a infantilização das ovelhas.
Pastores lidam com a complexidade da vida sem respostas prontas, lobos lidam com técnicas pragmáticas com jargão religioso.
Pastores confessam seus pecados, lobos expõem o pecado dos outros.
Pastores pregam o Evangelho, lobos fazem propaganda do Evangelho.
Pastores são simples e comuns, lobos são vaidosos e especiais.
Pastores tem dons e talentos, lobos tem cargos e títulos.
Pastores são transparentes, lobos têm agendas secretas.
Pastores dirigem igrejas-comunidades, lobos dirigem igrejas-empresas.
Pastores pastoreiam as ovelhas, lobos seduzem as ovelhas.
Pastores trabalham em equipe, lobos são prima-donas.
Pastores ajudam as ovelhas a seguir livremente a Cristo, lobos geram ovelhas dependentes e seguidoras deles...

Pense nisso!!!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Culto ou Show?

Dias desses fui inquirido por um jovem em nossa igreja, que queria ir a um evento de lançamento do DVD de uma "famosa" cantora gospel. O problema é que no mesmo dia tinha culto de ensino em nossa igreja, e eu, placidamente o aconselhei a deixar de ir ao show, para cultuar a Deus naquela noite em nossa igreja. Ele então me perguntou qual era a diferença entre o "Show" e o culto. Vamos então as diferenças que naquele dia enumerei a ele:

1) No "show", o artista aparece. É o ator principal, o foco das atenções. No culto, Deus e a Sua Palavra são o centro. ELE aparece. ELE é quem precisa se manifestar (claro, estou falando de um verdadeiro culto cristão).

2) No "show", o artista acontece. Ele faz o show. Ele diz o que quer e como quer. No culto, Deus se revela. ELE diz como quer ser adorado, reverenciado. O culto precisa ser aceitável ao Senhor, segundo os critérios Dele.

3) No "show", há a preocupação com o número de participantes. Quanto mais gente é melhor o show. No culto, não há preocupação com o número de pessoas: "Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome (disse Jesus), estou no meio deles". O importante é Deus ser o alvo da adoração naquele momento.

4) No "show", o interesse é puro entretenimento, gastam-se duas horas ou mais de alegria contagiante, com um tempo gostoso, divertido e movimentado. No culto, há uma busca de relacionamento com Deus e o próximo, e um recolhimento espiritual, onde ouvimos a Deus e fortalecemos nossa fé.

5) No "show", ao final da apresentação todos vão embora, acabou. A vida corre do mesmo jeito - (deixa a vida me levar, vida leva eu...), até o próximo show. No culto, há um encontro com Deus, que deixa marcas e faz a diferença. Um novo compromisso, um novo caminhar, uma aliança renovada, e um desejo de fazer a cada dia a vontade de Deus.

Posto isto, ele me questionou dizendo que lá também sentiria alegria, iria chorar e até mesmo falar em línguas estranhas, o que talvez não sentiria no culto daquela noite (visto que o culto de ensino é mais comedido). Eu então respondi que a presença de Deus buscada de forma errada, pode até nos trazer alegria para nós, mas nem sempre para o Senhor. E um culto verdadeiro, alegra primeiramente à Deus.

Prova bíblica foi no episódio da subida da arca para Jerusalém, em que Davi se alegrava perante o Senhor, pulando e dançando feliz, com instrumentos e tudo, mas Deus estava triste no céu, pela forma errada como a arca estava sendo conduzida, nos lombos de bois ao invés das costas de sacerdotes. Deus se irou e matou Uzá.

Culto é para alegrar a Deus e não aos homens. Quem quer alegrar a Deus vá ao culto, quem quer se alegrar e entristecer a Deus, vá a "shows".

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Para Mudar Uma História


Texto: Gen. 12

As vezes fico pensando em que Deus precisa para mudar a vida de um ser humano, potencializando-a e tornando-a uma vida de benção e profundidade. Vamos a algumas repostas/sugestões:

1) Deus precisa apenas de um segundo, pois ELE não está preso ao tempo, nem a quaisquer circunstâncias temporais. Apenas um toque, um abraço, um sorriso, um telefonema, uma viagem, um culto, uma Palavra Rhema, pode mudar tudo.

2) Deus precisa de agentes facilitadores do milagre, ou seu fluxo de agir. Antes de querer a benção, Deus pede que sejamos uma benção. Deus confrontou Abraão e lhe fez uma promessa grandiosa de benção, mas antes da benção, Deus ordenou: “Sê tu uma benção”.

3) Deus precisa de filhos, que saiam da “Zona de Conforto”, assumindo uma vida de riscos e até aparentes prejuízos, esperando e crendo, que logo mais virá a honra do Senhor.

4) Deus precisa de pessoas que deixem de lado o comodismo e a indiferença para com seu agir, e entrem na graça da dependência à Suas provisões e recompensas. Nós gostamos de ter nossos próprios meios de interdependência, e Deus gosta que confiemos no Seu santo nome: JEOVÁ-JIRÉ.

Isso é uma prévia do que ministraremos hoje, dia 10/09/12 as 20 Horas em nosso “Culto da Palavra”, em nossa igreja. Te espero lá.

domingo, 5 de agosto de 2012


Provedores Que Provêem 
Mat. 14:13ª21

Introdução: Jesus fez duas multiplicações de pães, e em cada uma delas ensinou aos discípulos lições especiais de provisão. Além de fazer deles agentes de milagres, pois nos dois, eles viram o milagre acontecer em suas próprias mãos (Mat.14:19, 15:36).

Frase: Entregue o pouco a quem pode de fato abençoá-lo e receberás de volta para seu sustento e para multiplicação pessoal.

1)  Jesus fez questão de começar por onde ninguém começaria (pelo deserto), para prestar uma homenagem a João Batista que havia acabado de morrer. A multidão foi atrás dele, reconhecendo que ele era o legítimo substituto.

2) Os discípulos queriam ver o que o Mestre faria em meio a escassez do deserto, e Jesus queria ver a solução que eles tinham. É fácil transferir para o Mestre uma solução que pode estar em nossas mãos: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (14:17).

3) Juntando as duas multiplicações, dará exatos doze pães, o número de discípulos que tinha o Mestre. Os doze pães se multiplicaram por 19 cestos cheios. Isso se chama frutificação. Somos multiplicadores por excelência. Jesus nos quer assim.

4)      O agente multiplicador deve aprender alguns princípios:

a)   Passar pela mão de Jesus tudo o que vêm as nossas mãos primeiro,  antes de darmos a alguém. Ore pelas compras, roupas e alimentos. Consagre ao Senhor.

b)      Por em ordem a multidão faminta, assentando-os. Acalme os tumultos, rixas pessoais, os “privilégios” de filhos especiais, etc. 

d)    Não tenha medo de distribuir o que Deus te dá, pois receberás uma sobra abençoadora. Um cesto cheio de pão para cada um. A multidão irá embora alimentada, você ficará com as sobras.

5) Nunca esconda nenhum pão para você, pois poderá cortar o fluxo do milagre. Veio a segunda multiplicação, tinha mais pães (sete), menos pessoas (quatro mil homens) e a sobra foi menor, sete cestos, qual a razão?
Alguém escondeu no barco um pão, e só mais tarde anunciam isto (Mc.8:14), sendo repreendidos por Jesus. O Senhor não aceita que não confiemos em sua provisão:

a)  Repreendeu o povo que não acreditaram que o maná cairia todas as manhãs (Ex.16:18ª28). Ansiedade. Ativismo. Horas extras, roubos a Deus ( o pão nosso de cada dia).

b)   Cante enquanto o Senhor provê. Tome o exemplo dos pássaros, antes de receber o sustento, cantam. Deus os paga com alimentação (Mat.6:26).

c)   Os pássaros ocuparam nosso lugar original, cantam e recebem seu pagamento, enquanto que nós temos que louvar e, trabalhar arduamente.